Testemunhos

Lombalgia

Desde novo que sofro de dores na lombar . Sou uma pessoa bastante ativa, habituado a fazer desporto com regularidade, e devido as dores comecei a ficar condicionado nos movimentos.
Gradualmente, a situação foi piorando, ao ponto de não conseguir calçar-me sozinho ou simplesmente levantar-me do sofá.
Fui ao medico, fiz exames, e é-me dito que o disco entre as vertebras foi gasto de tal forma que já não existia. Aconselham-me a ser operarado, mas evitei ao máximo.
Tinha outros problemas colaterais, tais como dores na cervical, tendinite nos ombros, mas nada tao grave como na lombar.
Após o primeiro tratamento de magnetoterapia, para minha surpresa, consegui levantar-me do sofá quase sem dificuldade. Fiquei ainda mais surpreendido no dia seguinte, em que não sentia qualquer tipo de dor.
Desde então, faco tratamentos com regularidade, não fui operado e sinto-me muito melhor.
Durmo na esteira noturna e nunca dormi tão bem em toda a minha vida.

Jeremias Nunes Fonseca Taveira – Nº 149077 – 66 Anos- Feijó Almada

Hérnia na cervical

Sou professora e foi-me diagnosticado uma hérnia na cervical, devido ao facto de passar várias horas sentada na secretária a ler e escrever.
Devido a este problema de saúde sentia muito formigueiro nas mãos, perda de sensibilidade nas mesmas, dores no corpo todo, e enxaquecas.
Mais tarde também me foi diagnosticado síndrome vertiginoso, com origem relacionada com a hérnia.
Sem solução aparente para a situação, a única saída foi a toma de analgésicos diariamente que apenas atenuavam o sofrimento.
Finalmente, após ter tentado várias terapêuticas convencionais e alternativas, experimentei magnetoterapia e as melhorias foram deveras significativas. Apenas após algumas sessões a dor não só desapareceu, como demorava muito mais tempo a voltar.
Graças à magnetoterapia, a qual recorro apenas em sos, hoje sou uma mulher mais confiante, com um estilo de vida muito mais satisfatório a nível das tarefas diárias e recreativas.

Maria da Fé Mendes Milho da Mota Marques Carreira – Nº 44950-1 – 60 Anos – Setúbal

Lombalgia

Tenho uma profissão que exige que esteja sentada o dia inteiro, devido a isso as dores na zona lombar eram frequentes. Ocasionalmente sentia dificuldade em levantar-me da cadeira, em tratar das tarefas de casa, ou simplesmente estar de pé muito tempo.
Após alguns tratamentos de magnetoterapia sinto que melhorei razoavelmente.

Violante Maria Alcaide Silva – Nº 18728-5 – 61 Anos – Barreiro

 

DUAS HÉRNIAS LOMBARES E UMA HÉRNIA CERVICAL

Foram-me diagnosticadas duas hérnias lombares em 2008, na altura, qualquer esforço que fizesse paralisava-me, cheguei a ficar de cama.

Na altura fui informado que diagnósticos realizados como hérnia só garantem dez dias de baixa, o que me preocupava e limitava a qualidade do meu trabalho e limitação noutras áreas que também exerço profissionalmente.

O meu grau de dor era de 5 numa escala de 0 a 10.

Custava-me muito ao levantar de manhã, com o movimento melhorava mas nunca deixava de ter a moínha.

Em Julho foi-me apresentado a magnetoterapia pela interpass.

Já conhecia a terapia e agradou-me poder realizar a mesma em casa.

Nos primeiros tempos as diferenças eram mínimas mas com o continuar da terapia nocturna melhorou em cerca de 30% ao acordar.

O meu grau de dor que era de 5 diminuiu para um 3, numa escala de 0 a 10, ao acordar.

No entanto a moínha que tinha ao longo do dia desapareceu.

 

SÉRGIO DIAS – SÓCIO Nº 81663 – 51 ANOS AVEIRO

HÉRNIAS CERVICAIS; HÉRNIA LOMBAR E ARTROSE GERAL DA COLUNA

 

Sentia-me com muitas dores, dores tão fortes que me sentia com febre.

Tinha que andar sempre a correr para clínicas de fisioterapia pois as dores impediam-me de trabalhar.

Durante o tempo frio tudo ficava pior.

Numa escala de 0 a 10 a minha dor era 10.

Em Setembro de 2016 recebi uma chamada da interpass a fazer um inquérito acerca da minha condição de saúde e falaram-me de uma terapia nova.

Após a chamada veio cá um técnico da Interpass fazer-me apresentação da Magnetoterapia, e colocou-me a terapia na zona cervical e nos pés.

A minha sensação foi de alívio imediato

Decidi continuar com os tratamentos e hoje sempre que as dores aparecem estou a distância de uns passos para usar a magnetoterapia.

Já não vou a uma clínica de Fisioterapia desde Junho 2016.

O meu grau de dor diminuiu de 10 para 2 numa escala de 0 a 10.

Ganhei qualidade de vida!

MARIA FERREIRA – Nº SÓCIA: 16969 – 62 ANOS – BRAGA

Hérnia na L4 e L5

Acerca de 20 anos atrás sofri um acidente no trabalho que me causou alguns problemas na coluna. Estive 4 meses de baixa, e nesse tempo precisava de ajuda de terceiros para tudo. Desde então, a cervical e a lombar ficaram bastante afetadas e consequentemente as dores apareciam regularmente. De ano para a ano o caso foi-se agravando e o grau de dor aumentando, chegando a ter dores grau 9 (escala de 0 a10). Passava noites em claro, sem conseguir dormir devido à falta de posição, perdi a sensibilidade na mão ao ponto de não conseguir agarrar numa faca, deixei de cozinhar e fiquei totalmente dependente.

Fiz imensa fisioterapia e durante 2 anos tomava medicação praticamente todos os dias.

Em 2016 sou contactada pelo interpass a convidarem-me a conhecer a magnetoterapia. No primeiro tratamento senti um alivio de dor bastante significativo.

Decidi assim, avançar com um conjunto de tratamentos desta vez prescritos pelo fisioterapeuta, e durante 40 dias fiz todos os dias magnetoterapia.

No fim desta sequência de sessões as melhoras eram evidentes, o grau de dor baixou para 3 e a nível de mobilidade não há comparação. Atualmente trabalho o dia inteiro de pé, consigo pegar pesos, e fazer a minha vida normalmente.

Recorro a esta terapia várias vezes de modo a prevenir.

JOAQUINA MARQUES LOURO SAIOTE – N°: 33901 – 54 ANOS – ÉVORA

HÉRNIA DISCAL L4 E L5

Sou mecânico e devido ao esforço físico comecei a sentir imensas dores na zona lombar. Estive de baixa algumas vezes, e cheguei a ficar 1 semana deitado, imóvel. Por duas vezes fiquei 6 meses de baixa em casa. Sentia dor grau 7 (escala de 0 a 10). Exercícios práticos como descer os degraus, calçar-me, ou simplesmente pegar na minha filha de 1 ano ao colo, era feito com esforço. Não conseguia rodar o tronco. Procurei várias terapias mas nenhuma me tratou, cheguei a levar injeções de infiltração e ainda assim não fiquei bom.

Sou socio do interpass há alguns anos e um dia oiço falar de magnetoterapia. Envio um email para o interpass a pedir informações e desse modo experimentei o primeiro tratamento. Na mesma sessão, senti melhoras significativas em relação a uma tendinite que tinha no ombro.

Motivado ao tratamento da lombar, decidi avançar com um conjunto de 40 tratamentos seguidos. As melhoras começaram desde o primeiro tratamento. De repente já não ficava tão cansado, quando me baixava já não doía a virilha, e a dor baixou para 0. Já passou 1 ano e não voltei a ficar de baixa nem a faltar ao trabalho. Consigo fazer uma semana descansada de trabalho, sem procurar medicação. Foi um alivio muito grande esta terapia ter aparecido na minha vida.

CARLOS MIGUEL MARECO INÁCIO – N°: 134208 – 35 ANOS – OTA

HÉRNIAS NA LOMBAR E NA CERVICAL

Sou costureira e devido a esta profissão comecei a sentir dor nas costas desde cedo. Já fui operada ao canal cárpico, tenho 5 vertebras na cervical praticamente coladas e 3 hérnias na zona lombar. As dores eram insuportáveis, chegavam a grau 9 (escala de 0 a 10). Todos os dias tomava medicação muito forte. Deixei de conseguir trabalhar e uma vez que vivo sozinha sentia dificuldade para tudo, até no simples ato de me vestir.

No momento em que conheci a magnetoterapia estava a viver uma crise muito forte. Vivia todos os dias contraída, encolhida, com o saco de agua quente atras, não conseguia sequer descer as escadas. Por vezes passava a noite em claro, sem conseguir suportar as dores.

Conheço a magnetoterapia e no primeiro tratamento senti logo efeitos positivos. De repente já conseguia esticar-me sem dor.

Recebo o fisioterapeuta em casa e começo a fazer sessões continuas. Sinceramente passei muitos meses neste processo. Os problemas que tinha eram tantos que levou alguns meses a estar como estou hoje. Posso dizer que há 1 ano que não tomo qualquer tipo de medicação, consigo descer e subir as escadas sem auxilio, visto-me sozinha, cozinho à vontade, voltei a costurar e a ter a minha independência. A dor baixou para grau 1.

Faço a terapia noturna pelo menos 1 vez por semana e sinto-me muito bem. Durmo tranquilamente e acordo sem dores.

MARIA NAZARÉ LOURO MARUJO DE OLIVEIRA – N°: 51964 – 68 ANOS – SAMORA CORREIA

DOR NA ZONA LOMBAR

Depois de varios exames é-me dito que tenho o canal lombar estreito, o que afeta por vezes o nervo ciático, que inflama e causa dor. Muitos movimentos ficavam condicionados, como calçar-me e tudo o que implique baixar. Uma vez que sou professor, trabalho imenso tempo sentado, o que causa dores na zona lombar extremas.

Em 2016 conheço a magnetoterapia. Começo a fazer sessões todos os dias, durante 45 dias.

Sinto que melhorei. Nunca mais senti dor intensa, nem incomodo em estar na mesma posição muito tempo.

RUI MANUEL SEVERO COELHO – N°: 78024 – 53 ANOS – MONTIJO

HÉRNIAS E ARTROSE GERAL DA COLUNA

Sentia-me com muitas dores , dores tão fortes que me sentia com febre .

Tinha que andar sempre a correr para clínicas de fisioterapia pois as dores impediam-me de trabalhar.

Durante o tempo frio tudo ficava pior.

Numa escala de 0 a 10 a minha dor era 10.

Em setembro de 2016 recebi uma chamada da interpass a fazer um inquerito acerca da minha condição de saúde e falaram-me de uma terapia nova .

Apos a chamada veio cá um técnico fazer-me a demonstração da Magnetoterapia, e colocou-me a terapia na zona cervical e nos pés.

A minha sensação foi de alívio imediato

Decidi continuar com os tratamentos e hoje sempre que as dores aparecem estou a distância de uns passos para usar a magnetoterapia.

Já não vou a uma clínica de Fisioterapia desde Junho 2016.

O meu grau de dor diminiu de 10 para 2 numa escala de 0 a 10.

Ganhei qualidade de vida!

MARIA FERREIRA – Nº 16969 – 62 ANOS – BRAGA