Testemunhos

LOMBALGIA COM CIÁTICA DIREITA

Quando havia alguma mudança de tempo brusca ou fizesse algum esforço , passadas umas horas ficava com dor na coluna lombar e na perna direita.

Limitava-me a marcha.

Costumava fazer gelo durante 12-15 minutos e era a única forma de aliviar a mesma.

Em Agosto de 2016 recebi uma chamada da interpass a informar que me iriam visitar para me fazerem uma demonstração de uma nova terapia.

Quando o técnico cá chegou experimentou a minha sogra, que têm artroses nos dois joelhos e de imediato ela sentiu os joelhos mais leves.

Decidi continuar com a terapia.

Neste momento sou eu que utilizo o equipamento, e quando tenho crises lombares utilizo e alivia-me.

Numa escala de 0 a 10 o meu grau de dor é de 9 e quando utilizo a magnetoterapia reduz para 4.

Nunca mais precisei de utilizar gelo.

JOSÉ LEITÃO – Nº SÓCIO: 52798 – 57 ANOS – BARCELOS

ARTROSE DEDOS DAS MÃOS, LOMBALGIA E CERVICALGIA

Antigamente tinha dores diárias na coluna lombar e cervical , como sou educadora de infância sentia-me limitada para pegar nas crianças ao colo ou baixar-me.

Chegava a ter tonturas quando me baixava.

Numa escala de 0 a 10 o meu grau de dor era de 8.

Em Outubro veio cá um técnico da Interpass fazer uma demonstração de uma nova terapia, magnetoterapia.

O técnico fez-me tratamento na lombar e nas mãos e quando a terapia acabou senti-me aliviada.

Decidi adquirir a terapia  e utilizo numa base diária.

O meu grau de dor diário diminuiu para 5, numa escala de 0 a 10 e quando acabo de fazer a terapia diminui para um 2 numa escala de 0 a 10.

ALEXANDRA MELO – Nº SÓCIA: 141146- 50 ANOS – OLIVEIRA, SÃO MATEUS

Dor na cervical e esteira noturna

Devido à profissão, onde passava horas e horas sentado a olhar para baixo, comecei a sentir imensa dor na cervical. Criando uma cervicalgia bastante marcada.

No ano passado as dores eram frequentes e praticamente diárias, dor que chegava a grau 6 (escala de 0 a 10). Sentia dor a conduzir, a dormir, e sentia constantemente um peso nos ombros. Chegava a irradiar para o braço e a deixar as mãos dormentes.

Em 2016 fui contactado pelo interpass a convidarem-me para conhecer a magnetoterapia. O primeiro tratamento que fiz foi às pernas, devido a sentir algum cansaço nas pernas nesse dia. No fim do tratamento senti melhoras e mais leveza.

Avancei com um conjunto de tratamentos e durante 1 mês fiz intensivamente sessões à cervical. Melhorei imenso e a dor desapareceu.

Desde então, até ao dia de hoje, tanto eu como a minha esposa fazemos a terapia noturna, com a esteira. As noites são mais tranquilas e acordamos com mais flexibilidade e vitalidade.

JOSÉ MANUEL SILVA GOMES SALGADO  – N.º 42610 – 73 ANOS – SANTIAGO DO CACÉM

DOR NA CERVICAL

Recordo-me de sofrer de dores na cervical, desde que tinha 17 anos de idade. Ao longo dos anos criei um cervicalgia bastante acentuada, o que me causava rigidez e pressão na área todos os dias. Sinto que depois da menopausa as dores aumentaram, e diariamente sentia dor grau 6 (escala de 0 a 10). Deixei de conseguir levantar os braços, as mãos estavam constantemente dormentes e sem sensibilidade, as enxaquecas aumentaram e tudo derivava do mesmo, cervical.

Em Abril de 2016 o interpass contactou-me, a convidarem-me a conhecer a magnetoterapia. Percebi que podia ser uma grande mais valia para o meu problema e no primeiro tratamento senti diferença na cervical. Fiz 40 tratamentos seguidos, e no fim as melhoras eram visíveis. O grau de dor baixou para 0. Atualmente consigo estender a roupa, levantar os braços, ajudar a minha sogra que esta numa cadeira de rodas a levantar-se, e as enxaquecas abrandaram imenso.

Mas mais satisfeita fiquei com o episódio seguinte. A minha sogra teve uma trombose, há muitos anos, e devido a isso todo o lado direito do seu corpo ficou imóvel. Ela fez 40 tratamentos de magnetoterapia, à mão direita que nunca mais conseguiu abrir. No fim, ela conseguiu abrir a mão e agarrar o andarilho sozinha. Foi bastante emocionante esse momento e ficou para sempre gravado.

MARIA MANUELA VICENTE RIBEIRO OLIVEIRA – N.º 78722 – 56 ANOS – A DOS FRANCOS

Dor na lombar

Acerca de 8 anos que sofro de dores na lombar com alguma regularidade. A dor chegava a atingir grau 8 (escala de 0 a 10). Cheguei a levar injeções de infiltração, porque o nervo ciático inflamou, e devido a isso fiquei paralisado da perna direita. Sentia dificuldade em subir escadas, a conduzir muitas horas, e a estar muito tempo quieto de pé. Sempre joguei futebol, e acredito que devido a isso tenha ficado com algumas lesões corporais. Já fui operado aos dois joelhos e à cervical.

Em 2016 conheço a magnetoterapia, e no primeiro tratamento senti melhoras a nível de dor. Senti puro alivio, o que já não sentia há muitos anos.

Fiz 30 dias seguidos de tratamentos, melhorei bastante e o nível de dor baixou para 1. Faço atualmente, também, tratamentos à cervical e sinceramente, de modo geral sinto mais vitalidade e elasticidade em todo o corpo.

ANTÓNIO ABEL COELHO FÉLIX – N.º 106818 – 62 ANOS – OUTEIRO DA CABEÇA

Dor na lombar

Jogo ténis ,há muitos anos, e acredito que devido a isso as dores na zona lombar tenham despertado mais cedo que o normal. De ano para ano a dor foi aumentado, tornando-se mesmo bastante intensa e atingindo grau 7 (escala de 0 a 10). Aconteceu, por vezes, a inflamação na lombar ser de tal modo que comprimia o nervo ciático e ai tudo se complicava.  Diariamente, sentia dificuldade em sair da cama de manhã, baixar-me e até mesmo em andar.

Conheço a magnetoterapia em 2016 através do interpass. No dia em que fiz o primeiro tratamento experimental estava com imensas dores, ao fim dos 45 minutos da sessão, a dor diminuiu para metade.

De seguida fiz 2 meses de tratamentos, intensivamente, todos os dias. Ao longo deste processo fui melhorando, o grau de dor baixou para 0 e a mobilidade está normal. Vou recomeçar a jogar ténis e estou bastante motivado por isso.

JORGE MANUEL FERREIRA DA COSTA – N.º 103443-0 – 59 ANOS – TORRES VEDRAS

Dor na Cervical

Trabalho como auxiliar de educação, devido a isso e a estar sempre com o peso das crianças ao colo, regularmente, sentia dor na cervical. Sentia dor grau 7 (escala de 0 a 10). Em momentos de dor aguda, sentia dificuldade em levantar-me do sofá, pegar o meu filho de 2 anos ao colo, em baixar-me e por vezes a dor irradiava para os braços. Este estado permanecia semanas seguidas.

Em 2016 sou contactada pelo interpass a convidarem-me para conhecer a magnetoterapia. No primeiro tratamento senti um alivio de dor, como se tivesse menos peso nas costas.

Avancei com um conjunto de tratamentos prescritos pelo fisioterapeuta, e durante 15 dias fiz sessões todos os dias. No fim desse ciclo de tratamentos, a dor baixou para grau 2. Sinto que ganhei outra vitalidade física, sinto mais força e confiança nos meus braços e consigo suportar o peso do meu filho o dia inteiro. Atualmente, faço sempre que sinto necessidade e ajuda-me a melhorar de imediato, sem ser necessário fazer 1 mês intensivo.

FERNANDA MARIA DA CONCEIÇÃO VICENTE VITORINO – N°: 28111 – 46 ANOS – RIBAMAR

Dor na lombar

Devido à minha profissão, que exerci sempre sentada, onde passava cerca de 9 horas na mesma posição, fui adquirindo uma má postura que ao longo do tempo me causou imensa dor na zona lombar. Depois de vários exames é-me dito que tenho uma escoliose e que provavelmente vou sofrer de dores graves ao longo da vida. Não durou muito até a dor se tornar insuportavel e me impedir de andar, curvar, ou até andar direita. De modo a proteger-me encurvava-me, o que causava mais problemas na zona da anca.

Em 2016 recebo uma técnica do interpass em casa, e nesse dia fiz o primeiro tratamento de magnetoterapia.

Percebi as mais valias e decidi avançar com os tratamentos. A partir da 6ª sessão comecei a sentir a dor baixar para grau 2. Desde então nunca mais tive nenhuma crise.

Faço também a terapia noturna e sinto o sono mais profundo e restaurador.

Já fiz magnetoterapia a familiares e ficaram bastante satisfeitos.

ISABEL MARIA POVOAS DA TRINDADE LARANJEIRA – N°: 69824 – 70 ANOS – TORRES NOVAS

DOR NO JOELHO

Há mais de 10 anos que sofro de dores no joelho, grau 8 (escala de 0 a 10). Havia dias em que não conseguia andar, descer e subir escadas. Coxeei durante anos.

Fiz imensos exames médicos e nada foi diagnosticado.

Comecei a fazer tratamentos de magnetoterapia em Março de 2016. Fiz cerca de 1 mês seguido de tratamentos. Melhorei de tal modo que até hoje nunca mais voltei a coxear. A grau de dor baixou para 1. Quando há um dia em que a dor parece querer aumentar, basta fazer 1 tratamento e melhora de imediato.

JOÃO SALVADOR RICARDO – N°: 64364 – 71 ANOS – BENAVENTE

DOR NAS COSTAS E FALTA DE FORÇA

“ Há uns anos que venho a sentir uma dor de grau 8 (escala de 0 a 10) na zona inferior das costas, o que me impedia de trabalhar no campo (agricultura), apanhar objetos do chão levantar peso, diminuição da mobilidade da coluna e por vezes sentia falta de força.

Em julho de 2015, sou contactada pela Interpass para apresentação de uma nova Terapia de magnetoterapia.

Com a vinda do Técnico aqui a casa, o mesmo realizou-me um tratamento na zona inferior das costas, onde senti logo um alívio e um aumento da minha mobilidade.

Posto isto, recebi a visita do Fisioterapeuta do Interpass para delinear um plano de tratamentos por um período de 30 dias. Após realizar os tratamentos descritos pelo mesmo a minha dor na zona inferior das costas passou para um grau 3 (escala de 0 a 10); consigo aguentar um maior número de horas a trabalhar no campo; a dor que sentia ao fim dia de trabalho já não era tão intensa.

Outro aspeto que tenho a referir, é o facto de ter um nodulo na Tiroide de 12mm a 16mm, no qual sou acompanhada por um médico e controlada a nível de medicação e, desde que iniciei os tratamentos de magnetoterapia, o mesmo apresentou uma diminuição do diâmetro para 8mm, algo que não me acontecia há imenso tempo.”

MARIA DA CONCEIÇÃO SANTOS – N.º 9628 – 69 ANOS – CANEÇAS