Polimialgia

Um dia, de repente, acordei com dores intensas pelo corpo inteiro, não conseguia andar, nem me conseguia mexer.
Fui as urgências e após vários exames, foi-me diagnosticado polimialgia.
Durante anos fui seguida por um reumatologista.

Vivia com dor grau de dor 9 no corpo inteiro, tomava comprimidos de cortisona e tive de me reformar por invalidez.
Faço tratamentos de magnetoterapia com regularidade e tem sido uma otima ajuda na minha vida.
Passei a tomar apenas metade do comprimido de cortisona, o grau de dor baixou para grau 3 e vivo o meu dia a dia normalmente.

Autor: Maria de Lurdes Silva Rodrigues – Nº 58063 – 63 Anos – Tramagal/Abrantes

Nervo Ciático

Sofro de bastantes problemas osteoarticulares, sendo que o que mais me incomoda é o nervo ciático que inflama com regularidade.Já fiquei 1 mês sem conseguir andar, sentia dor grau 9, escala de 0 a 10.
Tomei medicação fortíssima e levei injeções de infiltração.

Atualmente, faço tratamentos de magnetoterapia e desde então a dor não voltou. Deixei de tomar medicação para as dores e sinto-me feliz por isso. Faço tratamentos a um amigo que sofre de dor severa na lombar, tem hérnias, e ele sente um alivio de dor bastante grande.

Encontro-me satisfeita com esta terapia.

Autor: Cristina Maria Feliciano Teodoro Ferreira – Nº 120734 – 51 Anos – Peniche

Fibromialgia

Há 7 anos foi-me diagnosticado fibromialgia. Sentia dores horríveis pelo corpo todo, perdi totalmente o controle da minha vida e deixei de fazer as lidas de casa.
O corpo demorava cerca de 1 hora a ter mobilidade completa, desde que saia da cama.
Como também tenho artroses nos joelhos, deixei de sair de casa, isolei-me por completo, anulei a minha vida social.
Estive 3 anos de baixa médica e no fim desse tempo tive de colocar a reforma antecipada por invalidez.
Em 2017 experimentei magnetoterapia pelo interpass.
Durante 1 mês fiz todos os dias, rigorosamente, tratamentos de magnetoterapia.
Fui melhorando de dia para dia. Gradualmente, fui começando a sair de casa para ir as compras, quando acordava já conseguia tomar banho sozinha, o grau de dor baixava e o ânimo por viver começou a aparecer.
Não tenho duvidas como a magnetoterapia mudou a minha vida para melhor, faço tratamentos todos os dias de modo preventivo.

Autor: Dina Maria Sousa – Nº 71268 – 56 Anos – Figueiró

Lesão de menisco

Devido a um acidente de mota que tive há 3 anos, fiquei com uma eventual lesão de menisco, diagnosticada por uma ressonância magnética.
A solução que me apresentaram na altura foi uma artroscopia.
Este problema não me condicionava mas causava-me algum mau estar. Quando me ajoelhava sentia dificuldade para me levantar, não conseguia correr nem fazer flexões.
Não cheguei a ser operado e fui aguentando as dores por algum receio da cirurgia.
Nas férias da Páscoa de 2017 experimentei o primeiro tratamento de magnetoterapia. Na primeira sessão senti efeito no meu corpo, ajoelhei-me e levantei-me com mais facilidade.
Comecei a fazer tratamentos com regularidade, e no fim de uma sequência moderada as melhorias foram significativas.
Posteriormente, optei por diariamente fazer a aplicação da esteira noturna. Desde então, passo o dia com melhor qualidade.

João Pedro Antunes Marques Fialho – Nº 79269 – 53 Anos – Évora

FRACTURA DO PULSO ESQUERDO E AVC

Fracturei o pulso esquerdo em Outubro de 2016, estive com o gesso cerca de 1 mês e meio e quando o retirei senti-me limitada ou tentar dobrar o punho.

Tinha dores, principalmente no dedo indicador, numa escala de 0 a 10 o meu grau de dor era 6.

Como já tinha a terapia magnética através da interpass desde Setembro de 2016, liguei a fisioterapeuta para que me indicasse os tratamentos adequados ao meu caso.

Senti logo diferença entre o segundo e terceiro tratamento que fiz.

Ganhei mais mobilidade e o meu grau de dor diminuiu para 4 numa escala de 0 a 10.

A minha mobilidade continua a aumentar.

Desde que recebi a esteira magnética que durmo sob ela e sinto-me bem.

Fazia massagens regularmente e desde que a esteira chegou nunca mais senti necessidade de ir a terapeuta.

O meu marido teve um AVC em 2005 e desde Setembro que dorme sobre a esteira magnética, melhorou a nível de mobilidade motora e sente-se mais leve na perna que foi afectada.

Estou satisfeita com a magnetoterapia.

LUCINDA PINTO – Nº SÓCIA: 78878 -73 ANOS – VILA NOVA DE GAIA  

ESPONDILARTROSE CERVICAL E LOMBAR; RUPTURA MENISCO JOELHO DIREITO

 

As minhas patologias foram-me diagnosticadas a mais ou menos 4 anos.

Sentia-me com muitas dores e muitas vezes nem me conseguia mexer.

Tomava comprimidos para as dores, para aliviar, cheguei a ir para a fisioterapia mas como tinha o tempo muito limitado fartava-me e deixava de ir.

Em Agosto de 2016 fui contactada pela Interpass para fazerem uma demonstração de uma terapia nova.

Veio cá um técnico, fez a demonstração e quando acabou senti alívio imediato.

Decidimos adquirir a terapia no próprio dia.

Há anos que não conseguia dormir de lado, tinha que dormir sempre de barriga para cima e desde que iniciei os tratamentos já consigo dormir em qualquer posição.

Sempre que realizo a terapia alivia-me as dores.

O meu grau de dor era de 8 numa escala de 0 a 10 e diminuiu para 3, numa escala de 0 a 10.

CARMINDA ARAÚJO – Nº SÓCIA: 67121 – 58 ANOS – BARCELOS

Dor na cervical

Desde que me reformei que me dediquei a apanha da ameijoa. Passo grande parte do dia abaixado, o que faz com que no final do dia me sinta extremamente cansado e com dores na cervical. As dores atingiam grau 6 (escala de 0 a 10). Custava-me virar o pescoço, carregar pesos, os braços ficavam dormentes, e quando iniciava o dia não sentia as mãos.

Em 2016 conheci a magnetoterapia através do meu clube de férias, interpass.

Fiz cerca de 30 sessões, recomendadas e acompanhadas pelo fisioterapeuta especializado na área. Após esse tempo, o grau de dor baixou para 3 e desde então não aumentou.

JOSÉ MANUEL PARREIRA HENRIQUES – Nº: 127870 – 61 ANOS – SAMOUCO

DOR NO JOELHO

Em 2007 sofri um acidente de bicicleta, onde parti o joelho. Nunca fui operado mas desde então que sofro de dores. Com qualquer mínimo movimento o joelho estalava, sentia dor grau 5 (escala de 0 a 10) e coxeava sempre que descia escadas.

Em 2016 fui abordado pelo interpass a convidarem-me para conhecer a magnetoterapia. Deste modo, experimentei e tive o primeiro contacto com esta terapia. Após conhecer os seus benefícios decido avançar com um conjunto de tratamentos.

Fiz cerca de 40 sessões seguidas. No fim, senti melhoras a nivel de dor, baixou para grau 3. Já não estala todos os dias, mas como sou agricultor e esforço os joelhos a toda a hora, é normal que a reabilitação seja mais lenta.

Vou recomeçar com os tratamentos neste mês e fazer mais um ciclo de sessões.

MANUEL COSTA RAMOS – Nº: 99611 – 59 ANOS – ESTOI – FARO

DOR NA LOMBAR

Desde que me lembro que sinto dor na zona lombar, acredito que tenha tido inicio numa queda que dei em pequena. Bastava fazer o mínimo de esforço, e a dor aparecia para ficar uma semana. De ano para ano agravava, chegando a alcançar grau dor 8 (escala de 0 a 10).

Simples atividades como passar a ferro, estar de pé muito tempo ou até andar, causava-me incomodo.

Em 2016 oiço falar a primeira vez de magnetoterapia. A convite do meu clube de férias, interpass, recebi um técnico em casa que me ofereceu um tratamento e explicou os benefícios da terapia. Percebi que podia ser uma mais valia tanto para mim como para a minha família e decidi avançar com os tratamentos.

Fiz cerca de 40 sessões,  e no fim das mesmas, senti melhoras no nivel de dor, passando para grau 4, e a nivel de mobilidade. Consigo andar e movimentar-me sem sentir incapacidade, e chego ao fim do dia com a sensação de maior vitalidade.

MARIA DA GLÓRIA DAVID PALMA – N.º 127956 – 61 ANOS – FARO

Dor na Cervical

Trabalho como auxiliar de educação, devido a isso e a estar sempre com o peso das crianças ao colo, regularmente, sentia dor na cervical. Sentia dor grau 7 (escala de 0 a 10). Em momentos de dor aguda, sentia dificuldade em levantar-me do sofá, pegar o meu filho de 2 anos ao colo, em baixar-me e por vezes a dor irradiava para os braços. Este estado permanecia semanas seguidas.

Em 2016 sou contactada pelo interpass a convidarem-me para conhecer a magnetoterapia. No primeiro tratamento senti um alivio de dor, como se tivesse menos peso nas costas.

Avancei com um conjunto de tratamentos prescritos pelo fisioterapeuta, e durante 15 dias fiz sessões todos os dias. No fim desse ciclo de tratamentos, a dor baixou para grau 2. Sinto que ganhei outra vitalidade física, sinto mais força e confiança nos meus braços e consigo suportar o peso do meu filho o dia inteiro. Atualmente, faço sempre que sinto necessidade e ajuda-me a melhorar de imediato, sem ser necessário fazer 1 mês intensivo.

FERNANDA MARIA DA CONCEIÇÃO VICENTE VITORINO – N°: 28111 – 46 ANOS – RIBAMAR